Rinossinusite causa dor de dente?

Pessoas foto criado por wayhomestudio - br.freepik.com

Por que quando estou com rinossinusite tenho a impressão de estar com dor de dente? Essa pergunta é comum a quem, pelo menos uma vez na vida, já foi acometido por esta doença popularmente conhecida como sinusite, processo infecioso bacteriano que inflama as cavidades ao redor das vias nasais.

Os seios da face são cavidades aeradas no interior dos ossos que se localizam ao lado do nariz ou nas maçãs do rosto. A inflamação dos seios paranasais, causada pela rinossinusite, ocorre quando as cavidades nasais ficam inchadas e inflamadas.

Assim, os seios da face não conseguem drenar o muco, podendo ocorrer acúmulo e, consequentemente, dor. É um incômodo agudo, por vezes lancinante, porque a secreção fica retida num dos seios da face ou em todos eles. Mas qual a relação destes sintomas com a arcada dentária?

As raízes dos molares superiores estão bem próximas das cavidades sinusais. Assim, quando os seios da face ficam inflamados e inchados, costuma-se acreditar erroneamente que a dor tem origem nos dentes, quando, na realidade, ela é resultante da rinossinusite.

A doutora Ana Paula Fiuza Funicello Dualibi explica que, dependendo do caso, a dor sentida nos seios da face é tamanha que pode irradiar para áreas inferiores como pescoço, arcada dentária e mandíbula. “Além disso, a rinossinusite pode causar cefaleia, dor ou pressão facial, obstrução ou congestão nasal, secreção nasal purulenta, febre, halitose, otalgia ou pressão nos ouvidos, tosse e fadiga, entre outros sintomas clássicos da doença”, detalha.

Inverno x rinossinusite

Já entramos no inverno e nesta época é comum a ocorrência de doenças respiratórias e infecciosas. Durante os meses mais frios do ano, os diagnósticos mais comuns são de rinite alérgica, asma, rinossinusite, exacerbações de bronquite crônica, DPOC (doença obstrutiva pulmonar crônica), enfisema pulmonar e pneumonias, além de gripes e resfriados.

Nesse período é comum a baixa umidade do ar, as alterações bruscas de temperatura e o aumento da poluição atmosférica, fatores preocupantes para quem sofre de doenças respiratórias crônicas.

Além disso, nos dias frios as pessoas costumam ficar mais tempo em ambientes fechados, com pouca ventilação, o que favorece o desencadeamento de doenças respiratórias e também a transmissão de gripe e resfriados e outras bactérias e viroses, como as responsáveis pela rinossinusite. A doença pode ser desencadeada após uma infecção viral, por exemplo, que abre uma porta para a entrada de patógenos no organismo, que ficou mais vulnerável devido à ação infecciosa. “Infecções são como um invasor que entra na sua casa, causa estragos e deixa a porta aberta para a entrada de estranhos”, explica didaticamente a doutora Ana Paula.

Algumas medidas simples podem ajudar a prevenir complicações nesta época do ano, como evitar ambientes fechados e sem ventilação, lavar bem as mãos, proteger a boca ao tossir, beber bastante água e evitar o acúmulo de poeira. Também é recomendado se alimentar bem, ingerindo frutas, legumes e verduras e apostando em uma dieta equilibrada.

A doutora Ana Paula Fiuza Funicello Dualibi é formada pela PUC-SP e possui título em Otorrinolaringologia e doutorado pela Unifesp – Universidade Federal de São Paulo.

Deixar uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

× Como posso te ajudar?